100 anos de nascimento de Frei Constantino Koser « Instituto Teológico Franciscano
PUBLICAÇÕES



NEWSLETTER
Receba as nossas novidades por e-mail! Clique aqui.

Destaques, Notícias - 11/05/2018

100 anos de nascimento de Frei Constantino Koser

Texto: Neuci L. Silva

Fotos: Neuci L. Silva/ Igor Fernandes

Na manhã do dia 10 de maio, o Instituto Teológico Franciscano comemorou o centenário do nascimento de Frei Constantino Koser, que, além de professor de Teologia Sistemática, no ITF, foi o único brasileiro eleito Ministro Geral da Ordem dos Frades Menores.
Na ocasião, Frei Elói Dionísio Piva, discorreu sobre a biografia de seu confrade, ressaltando a importância dele para a Ordem e, particularmente para o ITF. Frei Constantino colaborou intensa e entusiasticamente para a implantação da biblioteca do Instituto, adquirindo inúmeras obras de grande envergadura no campo teológico e doando, mais tarde, sua biblioteca pessoal, de Ministro Geral.

Frei Elói Piva recordou que, apesar de sua grande relevância e notoriedade, ele: “Conviveu bem integrado na fraternidade, em espírito de simplicidade e desprendimento”.
De seu legado, foram destacados os seguintes aspectos: paixão pela vida e pro-atividade em sua busca e sentido; humanidade; entusiasmo pelo carisma franciscano; amor ao estudo; dinamismo e integração na Família Franciscana, na Igreja e na sociedade.

Dando continuidade à homenagem, Frei Fernando de Araújo Lima tomou a palavra e recordou um trecho da canção: “Você não me ensinou a te esquecer”, de Caetano Veloso.

“E nesse desespero em que me vejo / Já cheguei a tal ponto / De me trocar diversas vezes por você / Só pra ver se te encontro”

Partindo dessa estrofe, Frei Fernando, que é psicólogo, falou sobre o processo de luto e sobre viver os valores da pessoa que morre e que muito amávamos. De acordo com ele, “ao cultivar aqui [ITF] os livros, o saber, a pesquisa, o ensino, estamos continuando a viver o que Frei Constantino viveu com tanto amor”.
Na sequência, Frei Ludovico Garmus deu um testemunho emocionado. Recordou o tempo em que era um dos alunos de Frei Constantino; e os momentos finais de seu mestre querido.

Concluindo o evento, Frei Antônio Everaldo Palubiack Marinho agradeceu a todos os presentes e leu uma mensagem que Frei Gilberto da Silva enviou de Roma, especialmente para a ocasião. Frei Gilberto, no momento, encontra-se em Roma, ocupando-se com a elaboração de sua tese de doutorado sobre o “Estudo das meditações de Frei Constantino Koser e a edição do ano de 1967”.

A cerimônia foi abrilhantada por um quarteto de frades estudantes, responsáveis pela parte musical.

Muitas vezes senti-me desanimado diante da realidade de hoje. Nesses momentos, com o recurso da oração, recorri também à história. Lendo e informando-me sobre o passado – de modo realista e não com a mentalidade nostálgica dos “bons tempos de outrora” – nunca levei muitas horas para convencer-me de que estava vivendo a melhor de todas as épocas, a mais favorável ao Evangelho, a mais propícia para a Igreja e a mais adaptada à forma de vida franciscana. E não creio que meu modo de pensar seja ingênuo ou infantil.

(Frei Constantino Koser. Discurso de encerramento do Capítulo de Madrid, 1973. In: NEOTTI, C. Frei Constantino Koser, O.F.M. Vida Franciscana, Petrópolis, v. 59, n. 76, p. 136, 2002).



Compartilhe: