Caminhos de Libertação: Segundo Dia « Instituto Teológico Franciscano
PUBLICAÇÕES



NEWSLETTER
Receba as nossas novidades por e-mail! Clique aqui.

Destaques, Notícias - 29/05/2015

Caminhos de Libertação: Segundo Dia

20150527_104506

Caminhos de Libertação: Alegrias e Esperanças para o futuro

V Simpósio Internacional de Teologia

50 anos do final do Concílio Vaticano II / 50 anos da Revista Concilium

Texto: Frei Juliano Fachini

          O segundo dia Congresso foi marcado por reflexões teológicas pertinentes e que abrem horizontes de esperança para a teologia prática.

              O primeiro conferencista a partilhar seu anseio e sua visão da teologia em nosso tempo foi o professor catalão Jon Sobrino.

         Sobrino, que é doutor e professor de teologia na Universidad José Simeon Canãs, em El Salvador, destacou os impactos fundamentais que o Concílio Vaticano II teve para nosso tempo. Para ele, o Concílio foi o encontro do caminho da justiça. Este encontro é a centralidade da missão – o martírio. O Filho de Deus é interpelado por um caminho de entrega e se encarna na história, na realidade do povo. Ele é o caminho que nos leva à entrega, à doação.

              Na esteira dos 50 anos da revista Concilium, Sobrino ainda trouxe presente seu itinerário teológico pessoal, ao ressaltar autores e textos que marcaram seu itinerário teológico: o artigo de J.B. Metz, de 1966: A incredulidade como problema teológico (lhe dá a consciência de levar em conta o real); o artigo de I. Ellacuría, de 1982: O Reino de Deus e sua freada no terceiro mundo (lhe traz presente a civilização da pobreza); o artigo de K. Rahner, de 1983: Dimensões do martírio (lhe dá a noção do martírio pela justiça). Estes textos e assuntos desdobraram-se em muitos outros e continuam fecundos também na revista Concilium.

            Na sequência, houve um painel com os doutores e professores Johan Verstraeten, da Katolieke Universiteit Leuven; Paulo Fernando Carneiro de Andrade, da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro; e a debatedora Hille Haker, da Loyola University of Chicago.

         Os trabalhos da tarde foram abertos com a exposição do doutor e professor João J. Vila-Chã, da Pontificia Università Gregoriana, que fez sua exposição a partir do pensamento de Luigi Pareyson, pensador italiano do século XX. Propôs “(…) as linhas mestras de uma hermenêutica da liberdade, à luz de dois grandes problemas de interpretação e de compreensão teo-antropológica da realidade humana: a experiência de Deus, por um lado; e a experiência do sofrimento e do mal, por outro”. Após essa conferência, o tempo foi dedicado a diversos grupos para comunicações dos estudantes de mestrado e doutorado da PUC-Rio e de outras instituições brasileiras.

            Enfim, o dia terminou com o Painel de Teologia Sistemática com os doutores e professores Luiz Carlos Susin, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Thierry-Marie Courau, do Institut Catholique de Paris, e com a debatedora Susan Ross, da Loyola University of Chicago.



Compartilhe: